#TemporadaDosVentos

Quando a coleção acontece no e-shop, a gente já tá com saudade do processo! 

Quando a gente chega a algum lugar, já dá saudade do caminho. No nosso processo criativo, a ideia era que nessa Temporada dos Ventos entregássemos para nossas (mais que) consumidoras uma Catarina Mina para cada ocasião.


Decidimos enraizar o casamento da madeira (marchetaria) com o crochê. São fazeres manuais que se complementam muito! O crochê traz maleabilidade, contrastante com a solidez da madeira. Sai do lugar comum. A combinação faz com que ambos os materiais ganhem força estética. 
As escolhas cromáticas compõem uma cartela de cores quentes, solares, a cara da mulher Catarina Mina.

Uma mulher que tem uma luz interna, é seu próprio farol. Não precisa de outra luz pra guiar. 


Em relação aos shapes, trazemos uma tendência forte: as bowling bags. Uma leitura bem típica do nosso DNA seria feita justo no crochê, trazendo o artesanal pra um formato que é muito urbano. É uma tendência mundial, que agora vem com um tempero nordestino: o crochê está na alça com madeira, que some e aparece, num jogo de esconde-revela muito interessante.


Nos divertimos muito também ao experimentar novos shapes com marchetaria na alça, e entender como essas novas construções poderiam encontrar conjuntos de cores para os corpos das bolsas. Muita coisa nova foi construída. Além da beleza, a ergonomia foi levada em consideração (a pega na bolsa, já que as alças são o principal elemento de marchetaria!). Parece simples, mas prender uma alça no corpo da bolsa poderia ser um desafio, de modo que não houvesse tantas interferências estéticas, que pudessem atrapalhar o desenho da marchetaria. 


Novas combinações de tingimento de palha foram testadas e conversadas com os artesãos de Aracati para a construção do shape leque. Uma bolsa de palha com um formato conhecido no litoral do Ceará, mas que talvez precisasse de uma bossa, de um tempero a mais! Leque chegou alcançando novos lugares com um fazer bem tradicional nosso, e um material que diz muito sobre nós: a carnaúba.  


A saudade que fica é dos testes com seu Elienai, artesão de madeira, que pacientemente fez questão de que nossa equipe de estilo entendesse exatamente seu processo: desenhar, recortar, encaixar, colar, unificar, polir e bolear! 


Da Dona Boba, que só escolhia cores novas conosco depois de tirar um bolo de milho bem fresquinho do forno. Das trocas com nossa crocheteira da casa, piloteira, dona dos veredictos Verônica.  Das visitas de Andreza e Helena, de Itaitinga, que vinham sempre ao Ateliê para os testes de cores, pontos, e cobertura em crochê dos detalhes em madeira… 


A gente ri lembrando que, em determinado momento, a vontade era jogar tudo pro alto, ninguém aguentava mais ver tanta bolinha de madeira, cada uma coberta com um ponto diferente, tentando chegar num resultado que agradasse a todo mundo. Mas sabe o que aconteceu depois? A Andreza disse em alto e bom som que essa foi a alça mais legal que ela já fez e virou a bolsa mais bonita da coleção (veja a CIRCA pra ver as bolinhas)


Viva Boba, Elienai, Bianca, Karina, Tici, Andreza, Verônica, Aldenice e todas as mulheres que escreveram com linha, madeira e palha esse Temporada dos Ventos. 

Leave a Reply